Como o mundo te vê?

Como o mundo te vê?

Nós seres humanos de uma certa forma estamos aprisionados em nós mesmos, quero dizer que é natural que a gente veja e entenda primordialmente aquilo que nos é familiar, aquilo que nos foi ensinado, aquilo que herdamos de nossos pais e etc. Toda esta carga de informação acaba definindo valores, crenças, opiniões em cada um de nós.

Temos a tendência de defender veementemente aquilo que acreditamos, muitas vezes o fazemos até de forma cega, não conseguimos sequer imaginar a possibilidade de não ser daquela forma, não conseguimos pensar de outro jeito.

É comum ver pessoas sendo mal educadas, ver pessoas não sabendo como reagir, não sabendo como responder quando questionadas sobre suas convicções. Quem já passou por tal situação pode dizer que o quão desagradável o momento pode se tornar. É importante entender que tal reação é quase que uma defesa instintiva, tendo isto de forma clara conseguimos lidar melhor com a situação.

Achei muito interessante um documentário produzido pelo Ricardo Franzen intitulado “Como o mundo te vê”, neste documentário são realizadas uma série de entrevistas com pessoas aleatórias na rua; nestas entrevistas as pessoas de forma tranquila e descontraída são questionadas de várias maneiras sobre a fé cristã; o entrevistador faz perguntas como: Como o mundo te vê? Como você vê a igreja? Como você vê o cristão? Como você vê Jesus?

É impressionante ver como cada pessoa tem um ponto de vista completamente distante da outra. Por vezes custamos a acreditar que estão falando da mesma coisa; algumas pessoas são completamente apaixonadas, outras demonstram profunda aversão pelo assunto, outras simplesmente não se importam.

O ponto chave para mim aqui é saber entender e responder a um questionamento; de forma sadia, madura e sem radicalismo. A noção que tenho de mim mesmo deve ser a mais realista e madura possível, não sou melhor nem pior, não faço parte de um grupo privilegiado e por aí vai.

Quando nos posicionamos de forma radical estamos nos esquecendo da diversidade que sempre fará parte de nosso mundo. Aprender a lidar com a diversidade não é algo simples, o pensamento fora da caixa, a clareza de ideias são características construídas pouco a pouco, cultivadas dia-a-dia.

Não quero dizer com isto que não devemos ser bem posicionados ou que devemos ser neutros, inseguros, quero dizer que devermos ter respeito pela diversidade de pensamento, respeito pela crença e cultura de cada pessoa.

A Liberdade de expressão é o direito de manifestar livremente opiniões, ideias e pensamentos. É um conceito básico nas democracias modernas nas quais a censura não tem respaldo moral.

Sim, você pode defender o que pensa! Sim, você compartilhar algo que acredita! Todo mundo tem direito à opinião, todo mundo tem direito à liberdade de expressão. Porém, todo mundo tem o dever do respeito e da educação para com o próximo.

Para os cristãos – me incluo neste grupo – deixo os questionamentos apresentados pelo Ricardo Franzen no vídeo por ele produzido:

Milhares de pessoas rodando todos os dias. Você já parou e tentou imaginar qual é a imagem que elas tem de você? Qual sua influência como Cristão no mundo? Será mesmo que as coisas lá fora estão tão boas como nos cultos que você frequenta todo final de semana?

Concluo deixando para quem interessar os contato dos Ricardo Franzen, ele possui um canal no Vimeo com outros vídeos muito interessantes e com ótima produção. Contatos: Vimeo / Blog / Twitter.