A história de Pedro

A história de Pedro

Pedro desde pequeno, por algum motivo, sempre foi um menino preocupado em dar o seu melhor. Jamais conseguiu lidar com o fato de que algo poderia ter sido melhor. Trazia dentro de si uma responsabilidade muitas vezes pesada para uma criança, nunca foi forçado ou ensinado a ser assim, era algo natural, inerente ao seu jeito de ser.

Na escola Pedro foi um aluno que em quase todos os anos letivos se sentou na antepenúltima carteira, sempre colado com a parede da sala. Não se sentava perto dos professores ou da turma mais popular da sala; a garota amada por tantos anos jamais suspeitou do amor de Pedro — talvez por falta de confiança em si tinha dificuldade de se relacionar com pessoas que julgava superiores a si próprio.

Durante praticamente todos os anos passados na escola Pedro sempre teve dificuldade com os números. Amava história, educação artística, português. Precisou se esforçar muito para alcançar as médias necessárias em matemática, física e química a medida que últimos anos do período escolar foram chegando. Apesar de todas as dificuldades Pedro sempre se esforçou na escola, caprichava nos trabalhos, ajudava os colegas de classe quando podia.

Aos 14 anos, já um pouco mais velho, mais consciente sobre a vida, acreditava que pouco mais a frente existia algo melhor — algo maior que estava a sua espera. Sonhava com sua faculdade, pós-graduação, carro, apartamento, família, reconhecimento. Sempre olhando em frente, perseguindo um futuro melhor, procurando uma vida que pudesse inspirar as pessoas ao redor.

No final da adolescência, pouco antes de ingressar na faculdade, Pedro pode encontrar o amor. Muito por acaso, muito inesperado, um amor que foi tão avassalador quanto intenso, durou pouco, mas o ensinou muitas lições. Pedro percebeu que de fato tudo o que viria a seguir era muito sério, as muitas decisões desse novo período que se iniciava eram muito sérias.

Após finalizar os anos de escola Pedro se empenhou em rapidamente entrar na faculdade. Não queria perder tempo. Sabia que o término do período escolar era apenas o início de uma nova e mais difícil etapa. Prestou vestibular, foi aceito na faculdade que escolheu, logo começou a trabalhar na área. Pedro “ralou” bastante na época da faculdade, acordava cedo, dormia tarde — as vezes mal conseguia ficar acordado nas aulas —, não tinha um centavo no bolso, pois, praticamente todo o dinheiro que ganhava ia para pagar a mensalidade da faculdade. Após cinco anos muito duros Pedro se formou, sentiu nesse momento que estava mais perto do que nunca de tudo o que sempre buscou e pode se sentir um certo orgulho de sua trajetória.

Nos anos que se seguiram, Pedro, agora com um pouco mais de tempo e dinheiro pode realizar alguns sonhos que a muito tempo estavam guardados. Comprou o tão sonhado carro e apartamento. Concluiu sua pós-graduação. Fez a viagem que por tanto tempo sonhou, pode se dedicar a antigos hobbies que estavam meio esquecidos. Sentiu-se feliz.

Hoje Pedro já conseguiu grande parte de seus objetivos, ainda segue em busca de algumas coisas, porém, hoje mais tranquilo, mais sereno, com o coração menos inquieto. Pedro pode perceber que não se sentia feliz por tudo que tinha, mas sim por sua trajetória, sentia-se feliz por cada luta e cada vitória. Sentia-se orgulhoso pois conseguiu ficar de pé em momentos muito ruins e superou cada um deles.

A história de Pedro é muito parecida com a história de milhares de outras pessoas. Muitos outros Josés, Anas, Marias, Paulos; pessoas de valor que sempre deram seu melhor e estiveram em busca de seus “oásis no final”. Muitos desses venceram, e como Pedro se deram conta que na verdade, o que buscavam não estava lá ponta. Correram muito para irem de encontro aos seus objetivos e se viram em um lugar estranho onde pode haver um assustador vazio e solidão.

Muitos desses perceberam que há muito tempo já tinham o que tão ansiosamente buscavam — o tesouro não estava lá ponta. Olharam para trás e viram uma porção de coisas bonitas e brilhantes espalhadas pelo caminho, tudo que buscavam estava lá. Nesse momento sorriram e sentiram saudades, por um momento pensaram em voltar para trás, mas não conseguiram, a vida é em frente. Sentiram-se desafiados a prosseguir, ir mais longe e ampliar horizontes.

Não existe felicidade na viagem dos sonhos, no apartamento dos sonhos, no carro dos sonhos, no cônjuge dos sonhos. A vida é meio e não fim. Existe sim um fim, mas, quando encontramos esse fim acredito que nem nos daremos conta que o encontramos de fato.

O verdadeiro significado de tudo que podemos conquistar na vida está no caminho que percorremos até essas conquistas, está em cada pequena batalha diária, em cada vitória e derrota. Conquistas não tem valor e significado sem uma história, sem momentos marcantes, alegres e tristes.