Energia, tempo e dinheiro

Energia, tempo e dinheiro

É interessante observar como ao longo da vida atribuímos e tiramos valor de uma série de coisas. Coisas que até bem pouco tempo atrás pareciam ser vitais hoje não representam nada, não possuem valor algum e coisas que não possuíam nenhum significado começam a ser tornar necessidades básicas. Muito natural que seja assim, seria muita ingenuidade nossa acreditar que seremos os mesmos e teremos as mesmas necessidades e prioridades ao longo de toda nossa vida.

Energia, tempo e dinheiro são três vertentes de nossa vida que com certeza sofrem uma alteração significativa de peso com o passar dos anos. Temos grandes dificuldades para equilibra-las, é possível dizer sem medo de errar que passamos praticamente toda nossa vida tentando equilibrar essas três áreas sem muito sucesso.

Podemos observar claramente essas diferenças de peso nas três principais fases de nossa vida: juventude, idade adulta e velhice. E é sobre que quero falar um pouco. Acredito que ter em mente um cenário claro nos ajuda de alguma forma a buscar o equilíbrio tão necessário entre essas três áreas de nossa vida. É claro que esse entendimento é apenas um primeiro passo.

Energia, tempo e dinheiro na juventude

A juventude é marcada por grande euforia, acreditamos ter tempo e energia para realizarmos absolutamente qualquer coisa, o que de fato é verdade. Essa é a época da vida onde temos mais tempo livre para nós mesmos (embora isso tenha mudado um pouco nos últimos anos). Quem não se lembra de como o período de um ano parecia uma eternidade quando tínhamos nove anos de idade?

Nessa época também dispomos em grande quantidade da tão preciosa energia. A juventude é uma época da vida onde quando crianças, em muitos casos, acordamos as seis da manhã para ir a escola e após a aula temos energia para passar o restante do dia, executando uma série de outras atividades — atividades muitas vezes incluem pesados exercícios físicos executados durante longas horas do dia.

Quando um pouco mais velhos, na época em que iniciamos a vida acadêmica e profissional, conseguimos conciliar uma alucinante rotina de trabalho e estudos. Muitas pessoas nessa época trabalham oito horas por dia (ou mais) e ainda possuem energia para frequentar a universidade durante anos, dispondo de pouquíssimas horas de sono. Nessa idade começamos a notar que na verdade não temos todo o tempo do mundo e que o tempo é algo muito precioso que deve ser aproveitado ao máximo.

Em contrapartida a alta disponibilidade de energia e tempo existe a escassez de recursos financeiros. Não iniciamos ainda de forma consistente a vida profissional, e em muitos casos não existe uma fonte de renda segura que não seja as bondosas mãos de nossos pais. Todos os projetos que de alguma forma exijam o emprego de recursos financeiros parecem extremamente distantes de nossa realidade nessa fase da vida.

Energia, tempo e dinheiro na idade adulta

A idade adulta trás consigo o peso de grandes responsabilidades e lucidez frente a realidade do mundo, essa é uma idade profundamente marcada pela falta de tempo e pela disponibilidade de recursos financeiros e energia.

Quando atingimos a idade adulta é bem comum observar que muitas pessoas já conquistaram boa parte das “obrigações sociais” que a sociedade nos impõem. Obrigações como formação acadêmica, construção de uma carreira e de uma família. Todas essas obrigações sociais fazem o tempo disponível desaparecer. Essa é uma idade da vida onde um ano parece começar e terminar em pouquíssimo tempo, quando nos damos conta já precisamos novamente nos preparar para as festividades de final de ano.

O aspecto interessante da vida adulta é que ainda dispomos de energia para dar conta das altas demandas que a vida nos impõem. O corpo ainda nos permite trabalhar longas horas, estudar e dormir poucas horas. Muitos nessa fase começam a sentir o peso da exigente rotina e se dão conta que a energia é um recurso muito valioso que também possui um fim. Nessa fase, a muito tempo, já se deram conta que o tempo é algo escasso e muito valioso, começam então uma busca por mais tempo e qualidade de vida.

A idade adulta trás consigo a disponibilidade de recursos financeiros, visto que nessa fase boa parte das pessoas já possui uma carreira estabelecida e consistente. Apesar da maior disponibilidade de recursos financeiros existe uma demanda muito maior de despesas, isso de alguma forma explica a grande falta de tempo nessa fase, visto que as pessoas precisam trabalhar muito mais para conseguirem dar conta de todos os compromissos financeiros.

Energia, tempo e dinheiro na velhice

Hoje, com os meus breves 32 anos de idade me sinto pouco desconfortável para falar sobre as experiências do ser humano na velhice, mas, de forma geral, com base nas experiências vividas, acredito que a velhice é marcada (ou deveria) pela disponibilidade de tempo, dinheiro e naturalmente pela falta de energia.

A velhice pela ordem natural das coisas é a época da vida ontem começamos a nos aproximar do fim da vida. Nessa idade muitas pessoas já não trabalham mais como antes, já trabalharam muito durante toda a vida e precisam de descanso, merecem descanso, deveria ser assim. Esse fato nos permite concluir que o tempo é algo mais disponível nessa fase da vida. Justo seria aproveitar essa fase da vida para diversão.

A velhice deveria ser também a fase da vida onde teríamos reservas financeiras, uma vida de trabalho foi deixada para trás, muitas coisas foram realizadas e construídas, isso porém depende da postura de vida e sorte de cada indivíduo. A realidade muitas vezes não é essa, muitas pessoas chegam a velhice passando necessidades e com grandes problemas para se aposentar.

O fato mais marcante e mais triste da velhice é o fato de que não temos mais energia. Nessa época a saúde não é mais a mesma, tarefas simples muitas vezes se tornam intransponíveis, é comum observar pessoas completamente dependentes, mesmo para as tarefas mais simples. Esse talvez seja o grande paradoxo da vida do ser humano: “acreditar que é na velhice que iremos a aproveitar a vida e que devemos focar todos os nossos esforços olhando somente para essa fase, sendo que o que realmente importa é o dia de hoje, o momento atual“.

 

Muitas são as exceções a esses cenários que apresentei, a vida é muito dinâmica, as pessoas são diferentes, não dá para afirmar que essa distribuição de energia, tempo e dinheiro seja verdadeira para todos os seres humanos do planeta. Esse é um cenário mais próximo da minha realidade, o cenário que consigo visualizar mais claramente e que parece ser um percurso natural na minha vida, infelizmente ou felizmente, ainda não sei.

O importante é ter em mente que o que realmente importa é o momento que temos hoje. A vida é hoje, agora! Esse é o momento de ser feliz, esse é o momento de fazer o que gostamos, esse é o momento de dizer eu te amo aos nossos queridos. Não importa a fase da vida que estamos, se dispomos ou não de energia, tempo e dinheiro. Um bom futuro é criado por uma postura correta frente a vida no presente!